Nas estradas e encruzilhadas da Vida, liberto das roupagens da vaidade e da jactância, tento merecer esta minha condição de ser vivo.

05
Jan 12
Os dias acontecem devagar,
ao ritmo do relógio que inventámos.
Em Maio vem o tempo de ceifar
o trigo que em Novembro não semeámos.
 
O ciclo natural do nosso pão,
alheio à míngua em dor da nossa mesa.
Ah, pátria minha, tanta provação
e tantos horizontes de incerteza!
 
Um rictus quase obsceno e vil enruga
a massa levedada que me fita.
No velho cais, em lágrimas, a fuga
acena a rendição desta desdita...
 
E eu fico olhando e nem me reconheço...
Que fiz de mim se já nem me mereço?

 
José-Augusto de Carvalho
5 de Janeiro de 2012.
Viana * Évora * Portugal
publicado por Do-verbo às 15:43

Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
27

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO