Nas estradas e encruzilhadas da Vida, liberto das roupagens da vaidade e da jactância, tento merecer esta minha condição de ser vivo.

05
Set 12
 

 

Jaziam amordaçadas,

Nas trevas da negação,

As auroras orvalhadas

De liberdade e de pão.

 

O vento agreste trazia,

Na noite de ódio vestida,

As notas da melodia

Duma canção proibida.

 

Os versos da rebeldia,

Nas bocas amordaçadas,

Bailavam a ousadia

De auroras adivinhadas.

 

Era o quebrar das algemas

Com a força dos poemas.

 

 

José-Augusto de Carvalho

Lisboa, 7 de Agosto de 2012.

publicado por Do-verbo às 12:45

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.


Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
14
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
28
29



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO