Nas estradas e encruzilhadas da Vida, liberto das roupagens da vaidade e da jactância, tento merecer esta minha condição de ser vivo.

11
Abr 13

 

Esta é a história de dois amigos. Por comodidade, um será identificado por Alfa; o outro, por Ómega.

 

Há anos, Alfa e Ómega encontraram-se. Não se viam desde a adolescência. Cada um quis saber do outro. Depois de inteirados do que consideraram ser necessário, decidiram encontrar-se amiúde e assim reatarem os laços da infância e da adolescência. Verificaram, com agrado, que ambos residiam e trabalhavam na cidade grande. Era uma vantagem. Despediram-se com um até breve!

Depois deste encontro, outros mais se seguiram. E os laços foram estreitando-se. Ambos verificaram que as suas condições de vida ditas económicas eram diferentes. Um vivia folgadamente, outro nem tanto.

 

Certa vez, Alfa convidou Ómega, ao fim da tarde, para irem a um espectáculo de variedades. Ómega, menos abastado, declinou o convite. Surpreso, Alfa quis saber por que motivo lhe era declinado seu o convite. E Ómega, sorrindo, respondeu: somos amigos, mas a tua carteira é maior do que a minha, logo tu tens um poder de compra que eu não tenho. Seremos sempre amigos, mas nem sempre poderemos ser companheiros.

 

Alfa mal disfarçou a mágoa que lhe causou a resposta de Ómega. E nem sequer quis ponderar a disponibilidade para suportar as despesas. Sabia bem que Ómega não aceitaria. A responsabilidade pela desigualdade evidenciada era superior à vontade de ambos. Uma desigualdade de somenos, pois nem tudo na vida se mede pelo poder de compra que se tem ou não tem. Sentiram-se mais unidos na amizade, certos de que os afectos não se compram nem se vendem. Companheiros seriam na longa estrada da vida, nem tanto no supérfluo que a sociedade também oferece, pagando.

Até sempre! 

Gabriel de Fochem

11.4.2013

publicado por Do-verbo às 16:25

Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO