Nas estradas e encruzilhadas da Vida, liberto das roupagens da vaidade e da jactância, tento merecer esta minha condição de ser vivo.

10
Nov 12

 

/
O sábio fala porque tem alguma coisa a dizer;
o tolo porque tem que dizer alguma coisa.

Platão
publicado por Do-verbo às 18:32

Oxalá saibamos libertar o nosso PoetaMaior
da angústia que levou para o túmulo...
 

 

 

 

 

Não mais, Musa, não mais a lira que tenho


Destemperada e a voz enlouquecida.


E não do canto, mas de ver que venho

 

Cantar a gente surda e endurecida.


O favor com que mais se acende o engenho


Não no dá a pátria, não, que está metida


No gosto da cobiça e na rudeza


Duma austera, apagada e vil tristeza.

 

 

 

 

Luís Vaz de Camões

(Os Lusíadas, Canto X, 145). 

publicado por Do-verbo às 17:21

Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
13
16
17

19
20
21
22
23

25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO